in

10 Maneiras para Saber Escolher um Vinho

como-saber-escolher-vinho

Existem poucas coisas tão boas como uma boa garrafa de vinho, especialmente com boa comida, não só se complementam mas trazem novos sabores e sensações quando combinados, mas um dos problemas do vinho é que existe uma imensa variedade, não só em tipos mas em marcas dentro dos variados tipos, claro torna-se difícil escolher, o que empurra uma pessoa para  escolher porque gosta do rótulo ou porque é barato ou deixa outra pessoa escolher por ela.

Mas vinho não é assim tão complicado, testes feitos recentemente com enólogos e peritos em vinhos em que se trocaram garrafas, trocaram vinhos baratos por caros, tingiram vinho branco para parecer vinho tinto, mostraram um facto relevante, não que estes peritos não erram, mas que muito do valor e sabor do vinho é baseado em condicionantes psicológicos, se o vinho é caro então mesmo não sendo tão bom, tu acabas por tolerar e apreciar mais, enquanto que um vinho barato mesmo sendo bom, achas mais fraco e não tão complexo.

O meu ponto é que deves apreciar o vinho por o produto que é, uma bebida complexa que tem milhares de variações e em que mesmo em vinhos de mesa existem sempre diferenças de garrafa para garrafa, ao contrário de uma coca-cola, cada garrafa de vinho no fundo é única.

Então chegamos ao ponto! Como é que escolhemos o vinho certo?

  1. Para Acompanhar ou só para Beber?
    A dica mais comum é emparelhar tipos de vinho com tipos de comida, a chamada de regra de ouro para escolher vinho, que para um prato de carne, pratos pesados, queijos escolhe-se um tinto e para um prato de peixe, aves ou saladas escolhe-se um branco, má regra? não! é boa, mas não existe nenhuma razão para não poderes mudar ou melhorar, em vez de um branco que tal um vinho verde ou rosé? A ideia é mais pensar no que vais comer e que género de vinho irá melhor complementar, se a comida é pesada e rica, um vinho rico como o tinto tenderá a ser um melhor par, para uma salada um vinho mais leve talvez com um pouco de gás como um verde pode fazer um bom par, se vais beber o vinho sem mais nada, então escolhe de acordo com o que apetece, algo mais refrescante ou algo mais complexo, etc.
  2. Escolhe de acordo com o Estilo!
    Se vais comer sushi, beber sake (vinho fermentado de arroz) ou cerveja Japonesa é bastante comum, a razão é simples, porque complementam-se bem, se é bom para os Japoneses é bom para ti, a mesma ideia podes usar para todos os estilos, se vais comer Italiano, um vinho Italiano é capaz de ser bom, vais beber um vinho Espanhol que tal comer um prato Espanhol, existe uma forte relação entre os pratos típicos de cada pais e os vinhos desses países, porque não aproveitar a dica.
  3. Bebe o mesmo que está na Comida!
    Milhares de receitas incorporam vinho, por isso outra dica boa é beber o mesmo vinho com o qual foi feita a comida, vais comer um prato de carne provençal, isso é feito com vinho tinto, por isso escolhe um tinto, vais comer uma deliciosa lagosta com molho de champanhe, hummm uma garrafa de champanhe de certeza que vai combinar bem.
  4. Arranja os teus Favoritos!
    Experimenta uns vinhos, escolhe marcas comuns e arranja um grupo de marcas que gostes, ter sempre um grupo de favoritos torna fácil escolher um vinho quando precisares ou estiveres num restaurante, também ajuda a escolher novos vinhos porque tens uma base de comparação, bebes um novo vinho e podes sempre saber se gostas mais ou menos que um dos teus favoritos, como disse em cima a qualidade do vinho é subjetiva por isso segue o teu gosto e opinião.
  5. Então e o Preço, Importa?
    Ai o preço, mas não existe razão para temer, um orçamento e uma ideia dos preços é essencial para uma escolha acertada, dai teres os teus favoritos, tu sabes mais ou menos o preço dos que gostas, logo sabes que podes arranjar um bom vinho a um preço semelhante e outra vez como disse em cima, o preço do vinho não é necessariamente uma representação da qualidade, logo segue as dicas daqui e um preço que aches razoável.
  6. Quanto Álcool é que tem?
    Álcool é um bom indicador de qualidade e acima de tudo do sabor, um vinho com pouco álcool é mais leve (de 7° a 9,9°), vai ter um sabor mais suave e vai ser mais fácil de beber, um vinho com mais álcool (10° a 13°) vai ser mais pesado ou como se diz encorpado, claro que estou a falar de vinhos de mesa, vinhos licoroso, fortificados, etc claro que vão ter mais álcool, a ideia é que o álcool é um bom indicador do sabor de um vinho.
  7. Qualificação é sinal de Qualidade!
    Muitos dos vinhos podem ter o selo de Denominação de Região Controlada, isso quer dizer que não só típico dessa região, mas que para ter o tal selo é um vinho que segue paramentos de qualidade mais controlados, e logo terá tendencialmente uma melhor qualidade, muito comum nos vinhos da União Europeia, claro cada pais tem o seu equivalente selos de qualidade tais como: VQRD/DOC – Portugal, AOC – França, DOCG/DOC –  Italia, etc.
  8. E se o Vinho for para Cozinhar?
    Então segue o vinho recomendado na receita! Mas caso a receita simplesmente diga vinho tinto (ou outro vinho que é difícil ou caro arranjar), tu podes fazer outras opções, não necessariamente escolher o vinho mais barato em pacote que o supermercado tenha, primeiro vê se o vinho vai ser cozinhado ou não, muitas vezes o vinho não é para ser cozinhado, neste caso segue os mesmos instintos como se fosse para beber!
    Agora se o vinho for para cozinhar podes tirar umas noções, primeiro o nível de álcool é irrelevante, o álcool com a cozedura vai evaporar, depois, que género de cozedura?, uma cozedura curta vai manter mais o sabor do vinho, uma longa vai modificar substancialmente, logo aqui a escolha é entre um vinho que tenha um sabor mais complexo ou um vinho mais simples, especialmente se for um cozinhado longo em que se acrescentem outros produtos com sabores fortes como caldos, o sabor do vinho vai ganhar menos relevo, logo podes comprar um vinho mais fraco e barato (eu pessoalmente tenho sempre umas garrafas de vinho razoável e barato para usar quando cozinho, mas se for preciso também servem bem para beber).
  9. Pergunta a outras Pessoas!
    Quando estás num restaurante, não custa nada perguntar a opinião do empregado, ele pode ter um melhor conhecimento da garrafeira e de que tipos de vinho combinam melhor com os pratos, da mesma forma podes sempre visitar garrafeiras, adegas ou lojas especializadas para ganhar mais conhecimento, aqui a única regra é criar um preço base e um orçamento do que queres gastar, porque muitas vezes essas pessoas podem tentar vender um produto bom mas que é desnecessariamente mais caro, ver pontos em cima.
  10. Quando tudo o resto falhar!
    Se estás num restaurante ou adega, pede se podes beber só um copo ou experimenta uma garrafa nova, quem não arrisca não petisca, quanto mais experimentares mais confiança e conhecimento vais ter sobre vinhos e melhores vão ser as tuas escolhas no futuro.

E já está, espero que tenham gostado das dicas! E se gostaram não esqueçam de partilhar e fazer like!

4 Comentários

Deixa uma Resposta
  1. DEPOIS DE LER A COLUNA, FIQUEI COM CERTEZA MAIS TRANQUILA EM RELAÇÃO ÀS MINHAS ESCOLHAS DE VINHOS…..VOU QUASE SEMPRE A ESCOLHER O SABOR ASSOCIADO AO PREÇO…E OS MEUS PREDILETOS SÃO OS TINTOS SUAVES… OBRIGADA POR CLAREAR ME A ALMA…

  2. Olhe o fundo da garrafa,se for um fundo com cova o vinho é de boa qualidade,se for fundo raso,sai fora….essa é a primeira coisa a ver.

    • :) Bem se a garrafa for antiga, talvez, porque garrafas com o fundo côncavo tem algumas vantagens históricas (ajudava a estabilidade, mais capacidade de reter fluidos em pressão, ajuda a despejar, ajudam a esfriar, a apanhar sedimentos, etc), a razão provável para o fundo côncavo é dos vidreiros ao criar as garrafas deixar o fundo plano criava uma fraqueza inerente a garrafa, esta ao pousar podia partir com mais facilidade pelo fundo, ao torna-lo côncavo protegiam e fortaleciam o fundo da garrafa, claro que garrafas de vidro modernas não tem esse problema e como tal muito bom vinho especialmente do porto vem em garrafas com fundo plano, hoje em dia o fundo côncavo é mais usado por tradição (da marca ou tipo do vinho) ou porque deixa criares uma garrafa mais alta ou com outras dimensões mais peculiares, por isso não tens de preocupar com o fundo :)

Responder a DEUSLENE MARIA VITAL Cancelar resposta

Risoto de Cogumelos

Broa de Milho da Padeira